Pular para o conteúdo principal

Tributo à dignidade

Oláá!!

Alguém aí? :-)

Semanas atrás terminei a leitura do livro: Amor de Perdição, do escritor português, Camilo Castelo Branco. O livro escrito em 1861 é simplesmente formidável, talvez potencializado por se tratar de uma história real. Algumas dificuldades nas primeiras 3 ou 5 páginas, depois é uma leitura indescritível, a ponto de eu enrolar a leitura nas últimas páginas para tentar esticar o livro um bocadinho mais. A história de vida do autor é outro ponto maravilhoso.
Mas por que estou falando sobre isso mesmo? ...
Ah! Lembrei-me.
Algumas passagens são tão aplicáveis nessa nossa realidade, que me causa novamente a sensação de que, essencialmente, nada muda.
Ontem eu me lembrava daquele caso do motorista de ônibus de uma linha que fazia Nova Friburgo x Rio de Janeiro. Vamos recordar o caso: Joilson Chagas, em vistoria ao interior do ônibus, encontrou uma pasta com mais de 74 mil reais. Ele prontamente procurou o dono e devolveu o dinheiro. Curioso é que o Joilson estava desabrigado, pois em 2011 houve alguns deslizamentos de terra e a sua casa havia desabado naquela tragédia ocorrida na Região Serrana. Não bastasse isso, a esposa dele estava grávida de 5 meses. Pois bem, tendo feito isso, naturalmente, a empresa se viu no dever moral de homenageá-lo. O impressionante disso tudo, não foi a atitude de Joilson Chagas, isso se chama honra, essa palavrinha que segundo o dicionário Houaiss é “... dignidade e honestidade moral. Marca de distinção ...”. Você que não se lembra desse caso faz ideia do que aconteceu com Joilson? Então, o impressionante disso tudo, foi que ele virou motivo de piada, teve seu crachá jogado dentro do vaso sanitário e no banheiro foi escrito “Chagas Otário”.
Assim como eles não entenderam a atitude de Chagas, eu não entendo a atitude deles. Talvez porque a humanidade esteja dividida em legiões, do bem, do mal, dos que têm personalidade, dos que não têm, dos que caem, dos que derrubam, dos dignos, dos indignos...
O que isso tem a ver com o livro?
Uma frase:
“Tenho a demência da dignidade: por amor da minha dignidade me perdi; quero agora ver a que extremo de infortúnio ela pode levar os seus amantes.”
A dignidade é cara porque é rara.
Tem que ter coragem para ser digno, porque, coragem quer dizer “força moral”.
Esse é apenas mais um dos inúmeros mistérios da humanidade, fazemos tudo certinho, sofremos e não nos conformamos.
Talvez porque mesmo sendo dignos, não estamos dando o devido valor à dignidade. Já viu alguém fazer o mal chorando? Pelo contrário, a expressão conhecida é: mata sorrindo.
Mesmo que a dignidade seja vista por alguns como “demência” ela é marca de distinção que atribui pessoas a uma ou outra legião.
É como eu sempre digo: - enquanto houver gente do bem, fazendo o bem, a maldade jamais será unanimidade, e isso dá força e sentido na vida.

Madalena Daltro
autora@globomail.com
https://www.facebook.com/poesiabrasileira.br
https://www.facebook.com/madalenadaltro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu vou até o sim

Vou ficar aqui
para além do fim
Depois que a vida me negar,
a morte dará seu sim

Depois do não
sempre vem outro sim

Na vida
o tempo do sim é curto
o tempo do não,
sem fim.

Depois do não da vida
sempre virá outro sim

Outrossim
já que vim
Eu vou até o sim.

- Madalena Daltro

autora@globomail.com

https://www.facebook.com/madalenadaltro

A vida...

A vida está me arrancando os dentes
para que eu não possa mais sorrir,
quase acredito nisso, mas foi pra isso
que cheguei até aqui? (Para não mais sorrir?)

La vita sta tirando i denti
affinché non posso sorridere più,
quasi Credo che, ma è stato per questo
Sono arrivato qui? (Non sorridere più?)

autora@globomail.com

https://www.facebook.com/madalenadaltro

https://www.facebook.com/poesiabrasileira.br

Soneto do Caixeiro

Soneto do Caixeiro

Em paz se deitam, e adormece
A amada, mas o relinchar abafado
Pelo espanto das trevas, lembra
A prece de uma alma penada.

Não é sonho, pesadelo,
Nem da mente alucinação.
O diabo se mostra lindo,
Jamais como assombração!

São os sons de galopes em fuga
Sob a densa nuvem de estrelas
Deixando o rastro do amante

Corre, abre a porta, é inútil!
Lá fora só as belas jardineiras
Já vai longe o Caixeiro Viajante.


Madalena Daltro

autora@globomail.com

https://www.facebook.com/poesiabrasileira.br