Pular para o conteúdo principal

Matéria: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/1207526-concorrencia-inflaciona-aluguel-de-espacos-em-livrarias-e-reduz-variedade-dos-destaques.shtml

Sabe a foto do meu livro na vitrine da livraria? A que eu postei ontem? Então...

Hoje eu estava relendo essa matéria (de 2012) para renovar a minha teimosia, acho que viciei na adrenalina da expectativa, será que vou ouvir um não, um sim, serei apedrejada, ou ignorada? Quanto mais difícil, mais sedutor.

Não tenho padrinho editor, não tenho empresário, nem patrocinador, não tenho fama, nem dinheiro, e das centenas de amigos.... apenas uns 50, aproximadamente, compraram o meu primeiro livro.

Pense você, que para eu comprar 1 par de tênis de corrida, para a minha pisada, eu teria que vender 70 livros.

O autor fazer seu nome? Hum... Vai nessa! Vale a lei do real e do marketing. Fora isso, a lei da teimosia.

E pensar que tem editora pagando mais de R$5.000,00, (CINCO MIL reais) para um espaço na vitrine, destinado aos seus
R E N O M A D O S e C O N S A G R A D O S autores. Ahã, sei!...

Eles são renomados porque foram patrocinados ou são patrocinados porque eram renomados?
Talvez um caso ou outro seja enquadrado na máxima: cada caso é um caso, não vou ser radical, eu sou compreensiva...

Mas com um patrocínio editorial desses, com certeza eu teria chance de ficar renomada/consagrada, quero ver fazer faxina, ler, lavar, escrever, passar roupas, correr, cozinhar, fazer contas, bater de porta em porta... Mas querem saber?
Tenho uma determinação tão irreverente que até a mim impressiona, são tantos nãos..., mas pior que um não é ser solenemente ignorada.
Mas eu ainda não estou ligando pra isso, porque mesmo assim, meu patrocinador fez meu livro ir parar na vitrine e ficar bem pertinho do Vinicius de Moraes. E eu estou bem feliz! É um excelente começo!!!

Ah! Meu patrocinador? Eu falei dele no livro.

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/1207526-concorrencia-inflaciona-aluguel-de-espacos-em-livrarias-e-reduz-variedade-dos-destaques.shtml

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu vou até o sim

Vou ficar aqui
para além do fim
Depois que a vida me negar,
a morte dará seu sim

Depois do não
sempre vem outro sim

Na vida
o tempo do sim é curto
o tempo do não,
sem fim.

Depois do não da vida
sempre virá outro sim

Outrossim
já que vim
Eu vou até o sim.

- Madalena Daltro

autora@globomail.com

https://www.facebook.com/madalenadaltro

A vida...

A vida está me arrancando os dentes
para que eu não possa mais sorrir,
quase acredito nisso, mas foi pra isso
que cheguei até aqui? (Para não mais sorrir?)

La vita sta tirando i denti
affinché non posso sorridere più,
quasi Credo che, ma è stato per questo
Sono arrivato qui? (Non sorridere più?)

autora@globomail.com

https://www.facebook.com/madalenadaltro

https://www.facebook.com/poesiabrasileira.br

Soneto do Caixeiro

Soneto do Caixeiro

Em paz se deitam, e adormece
A amada, mas o relinchar abafado
Pelo espanto das trevas, lembra
A prece de uma alma penada.

Não é sonho, pesadelo,
Nem da mente alucinação.
O diabo se mostra lindo,
Jamais como assombração!

São os sons de galopes em fuga
Sob a densa nuvem de estrelas
Deixando o rastro do amante

Corre, abre a porta, é inútil!
Lá fora só as belas jardineiras
Já vai longe o Caixeiro Viajante.


Madalena Daltro

autora@globomail.com

https://www.facebook.com/poesiabrasileira.br