Pular para o conteúdo principal

Dar é o melhor negócio!


Tem gente que só quer a parte do "venha a nós"
ao "vosso reino" nada.

Perde tempo quem espera ter abertura, ou mesmo uma perspectiva de reciprocidade para poder dar alguma coisa, um sorriso que seja.
Mas uma pessoa apaixonada pela vida dá bom dia pra lua, dá boa noite a quem anda na rua, canta e encanta; dá, dá, dá e é feliz.

Dar alguma coisa, é questão de atitude, de desprendimento.
Dê ao mundo o que o mundo não tem, isso é fazer a 'minha parte',não espere nada em troca, é puro desgaste.

Eu sei que o ato de dar às vezes é desencorajado em uma sociedade que sofre de transtorno compulsivo por acumulação.
Nela você é, o que você aparenta ter.

Talvez isso explique o tom pejorativo dirigido às pessoas que dão o que tem custo zero...
Dizem as más línguas: - fulano(a) é muito dado(a)...
Ih! Ser "dado" guarda em si tantos defeitos que o sujeito fica isolado como se tivesse uma doença contagiosíssima.

Sabe aquela fulana que é dada demais?
Pois é, não dormiu em casa em plena noite de sábado,

ela passou a madrugada dando...

Deu tudo o que podia e o que não devia...

Deu parte do seu salário para compras de fraldas descartáveis
e passou a noite no orfanato dando atenção
e cuidando das crianças nascidas com sequelas do crack.

Com isso, deu também um dia de folga para a assistente.

Na volta pra casa, o carro sem combustível a fez pegar carona
com um desconhecido, advinha o que disseram às más línguas da vizinhança?

Quem se importa com as más línguas?
Dar é o melhor negócio!

Madalena Daltro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu vou até o sim

Vou ficar aqui
para além do fim
Depois que a vida me negar,
a morte dará seu sim

Depois do não
sempre vem outro sim

Na vida
o tempo do sim é curto
o tempo do não,
sem fim.

Depois do não da vida
sempre virá outro sim

Outrossim
já que vim
Eu vou até o sim.

- Madalena Daltro

autora@globomail.com

https://www.facebook.com/madalenadaltro

A vida...

A vida está me arrancando os dentes
para que eu não possa mais sorrir,
quase acredito nisso, mas foi pra isso
que cheguei até aqui? (Para não mais sorrir?)

La vita sta tirando i denti
affinché non posso sorridere più,
quasi Credo che, ma è stato per questo
Sono arrivato qui? (Non sorridere più?)

autora@globomail.com

https://www.facebook.com/madalenadaltro

https://www.facebook.com/poesiabrasileira.br

Soneto do Caixeiro

Soneto do Caixeiro

Em paz se deitam, e adormece
A amada, mas o relinchar abafado
Pelo espanto das trevas, lembra
A prece de uma alma penada.

Não é sonho, pesadelo,
Nem da mente alucinação.
O diabo se mostra lindo,
Jamais como assombração!

São os sons de galopes em fuga
Sob a densa nuvem de estrelas
Deixando o rastro do amante

Corre, abre a porta, é inútil!
Lá fora só as belas jardineiras
Já vai longe o Caixeiro Viajante.


Madalena Daltro

autora@globomail.com

https://www.facebook.com/poesiabrasileira.br